Será que a era de ouro dos vídeo games está de volta?

Com o lançamento de Resident Evil 2 a expectativa dos jogadores de que o jogo seria um ótimo remake foi amplamente superada, com uma jogabilidade de respeito para os dias atuais, conta a mesma historia do jogo de 1998 mas de uma maneira totalmente nova e melhorada.

Segundo a Capcom, o remake de Resident Evil 2 foi feito para atender os pedidos dos jogadores que o aguardavam desde o remake de Resident Evil 1 para Game Cube em 2002.

E pelo visto a Capcom acertou em cheio dessa vez, entregando um jogo completo, sem microtransações, finais ou conteúdos importantes vendidos por DLC, justo ela que por muitos anos foi criticada por vender aos jogadores DLC’s que já estavam dentro do disco dos jogos, a Capcom que liderava o ranking das empresas mais mercenárias, hoje lidera o ranking da melhor editora de jogos no Metacritic.

resident-evil-2-remake-how-to-stop-mr-x
Mr. X agora é Trending Topic no Twitter

A Capcom com Resident Evil 2 pode ter iniciado, junto om outros jogos uma nova era de ouro para os jogos, com as empresas escutando os seus jogadores e percebendo que entregando o que eles pedem é uma ótima forma de ganhar dinheiro, Resident Evil 2 em 5 dias após o lançamento já tinha vendido 3 milhões de unidades.

Mas nada é tão bom que não pode ficar pior

Como o jogo acabou de ser lançado a Capcom ainda pode acabar lançando um modo Battle Royale em Raccoon City, 50 DLC’s com conteúdos adicionais ou pior.

Vamos pegar como exemplo Final Fantasy XV, o jogo que tinha tudo para ser um ótimo Final Fantasy mas acabou se tornando um exemplo de relacionamento abusivo.

Final Fantasy XV foi lançado em 2016 e para a SquareEnix os jogadores deveriam continuar jogando até hoje sem parar, seja o single player ou o inexplicável Comrades multiplayer. Tentam extender em anos a vida útil de um jogo que não deveria passar de meses, Final Fantasy XV teve conteúdo essencial retirado de dentro do jogo e transformado em DLC’s, as historias de Gladiolus, Prompto e Ignis mais parecem Demos Técnicas feitas para demonstrar a capacidade da Engine em ser um jogo de tiro, Hack and Slash, RTS para seus compradores.

Uma nova versão, a Royal Edition obrigava os jogadores a comprarem novamente o jogo ou pagar para atualizar a sua versão básica, um segundo Season Pass chegou a ser cogitado mas nem mesmo o diretor Hajime Tabata aguentou e abandonou o jogo, o que cancelou as DLC’s e o Season Pass com as historias de Aranea, Lunafreya e Noctis.

final-fantasy-xv-31-470x310402x
A imagem completa? Custa US$ 9,99

A SquareEnix só não roubou o posto da Capcom de empresa mais mercenária porque a EA entrou forte na briga com seu Star Wars Battlefront II e seu sistema de loot box, a coisa foi tão feia que países chegaram a rever as regras e classificar a pratica de loot box como jogos de azar.

Por último mas não menos importante chega a Bethesda com Fallout 76 que falha em todos os quesitos de ouvir a sua base de jogadores.

Ainda temos a Blizzard que se exilou na fortaleza da solidão com seu Diablo Immortal.

Para quem não sabe a Blizzard se fundiu em 2008 com a Activision, que adota o modelo de negócio de games como serviço, ou seja, games como serviço representam qualquer título que recebe conteúdo pós-lançamento e atualizações constantes. Esse modelo de negócio fez o valor de mercado da Activision e também da EA subir bastante, mostrando que é um modelo lucrativo mas que não deixa os jogadores muito felizes com essas empresas.

A Bungie desenvolvedora de Destiny 2 recentemente anunciou a separação com a Activision. O contrato com a Activision previa quatro jogos Destiny com lançamentos em 2013, 2015, 2017 e 2019 e expansões em 2014, 2016, 2018 e 2020. Mas desde sempre a Bungie demonstrou dificuldade em cumprir esse contrato. Agora sem a Activision, a Bungie pode simplesmente continuar a lançar novos conteúdos para Destiny 2 e evitar o que ocorreu no lançamento de Destiny 2 onde o conteúdo de Destiny 1 não foi aproveitado.

Com isso esperamos que as empresas ouçam seus jogadores e entreguem o que eles pedem, ganhar dinheiro é bom mas ter uma base de jogadores que adoram seus produtos é melhor ainda. CD Projekt e Rockstar estão aí para provar isso. Quem sabe a Capcom não se redima e entre nessa lista também?

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s